Documentos e Recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre Planejamento Familiar. A OMS incentiva todos os sistemas nacionais de saúde e organizações que forneçam planejamento familiar a considerarem suas recomendações para assim garantir a qualidade e a segurança dos serviços de planejamento familiar.

 

  • Declaração da OMS sobre a nomenclatura de dispositivos intrauterinos de liberação de levonorgestrel:

    O dispositivo intrauterino de liberação de levonorgestrel é uma das formas mais eficazes de contracepção reversível de ação prolongada (LARC). O LARC tem muitas vantagens para as mulheres em termos de conveniência e facilidade de continuação. O dispositivo intrauterino de liberação de levonorgestrel é igualmente eficaz em mulheres de todas as idades (ao usar a pílula, adesivo ou anel vaginal, as mulheres mais jovens têm taxas de falha contraceptiva significativamente maiores do que as mulheres mais velhas). Outras vantagens potenciais do dispositivo intrauterino de liberação de levonorgestrel incluem seu papel no tratamento de menorragia e dismenorreia. (2021)

  • Guia de implantação dos critérios médicos de elegibilidade e das recomendações para uso de contracepção:

    Este Guia de implantação dos critérios médicos de elegibilidade e das recomendações da OMS para uso de contracepção (doravante, “guia de implantação das diretrizes MEC e SPR”) integra uma iniciativa internacional para traduzir diretrizes em prática, que se utiliza dos princípios da ciência da implementação. A implantação da diretriz MEC/SPR em um programa nacional é um processo complexo e multidisciplinar que demanda envolvimento de muitas autoridades. A implantação também pode e deve ser buscada de modo sistemático e baseado em evidências. Este documento apresenta um processo estruturado para auxiliar o país a incorporar a edição mais recente das diretrizes MEC e SPR, e suas atualizações, em uma diretriz de planejamento familiar nacional. (2018)

  • Elegibilidade dos contraceptivos para mulheres com alto risco de infecção pelo HIV:

    Diretrizes – Recomendações sobre o uso de métodos contraceptivos por mulheres com alto risco de infecção pelo HIV – A Organização Mundial da Saúde (OMS) convocou uma reunião do Grupo de Desenvolvimento das Diretrizes (GDD) de 29 a 31 de julho de 2019 para revisar as orientações sobre a elegibilidade dos métodos contraceptivos para mulheres com alto risco de aquisição do HIV e determinar se a quinta edição dos Critérios Médicos de Elegibilidade (CME) para uso de contraceptivos necessitava alterar essas orientações. Essas orientações foram consideradas críticas, particularmente para a África Subsaariana, dado o alto risco de contrair o vírus ao longo da vida nesta região e a importância da contracepção hormonal para oferecer escolhas às mulheres e adolescentes e para reduzir o risco de uma gravidez não planejada, que é uma ameaça comum à saúde, ao bem-estar e à vida de mulheres e adolescentes. O GDD era constituído por 28 participantes de 19 países, incluindo especialistas em planejamento familiar e HIV, representantes de populações afetadas, clínicos, epidemiologistas, pesquisadores, gestores de programas, formuladores de políticas e especialistas em metodologia de diretrizes. (2020)

  • Um guia para identificar e documentar as melhores práticas em programas de planejamento familiar:

    A expansão e a institucionalização de melhores práticas testadas com sucesso exigem planejamento estratégico. Há várias ações criativas e construtivas de pessoas e organizações no setor de saúde para melhorar os resultados de saúde das populações. A ampla divulgação do conhecimento de tais ações pode impedir a repetição de erros e a perda de tempo valioso. Assim, a principal justificativa para a documentação e o compartilhamento de “melhores práticas” é permitir que as pessoas e as organizações que trabalham no setor da saúde para evitar reinventar a roda e melhorar o desempenho e evitar erros de outros. (2017)

  • Roda com os critérios médicos de elegibilidade da OMS para uso de métodos anticoncepcionais:

    A roda combina os métodos anticoncepcionais contidos no disco interno, com as características ou condições médicas específicas mostradas ao redor da borda externa. Os números que aparecem no campo de visualização indicam se a mulher que apresenta essa característica ou condição médica conhecida pode iniciar a utilização do método contraceptivo. (2015)