Uma referência em saúde no país, o Centro de Pesquisas em Saúde Reprodutiva de Campinas (CEMICAMP) é uma organização não-governamental (ONG) sem fins lucrativos, criada em 1977. A ideia partiu de um grupo de professores do Departamento de Tocoginecologia (DTG) da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que desenvolvia pesquisas sobre saúde da mulher, utilizando recursos de instituições nacionais e internacionais. Dado a burocracia enfrentada naquela época esta instituição foi criada em um primeiro momento para agilizar o recebimento e a administração dos recursos.

Inicialmente, seus objetivos eram: agilizar e otimizar os projetos e programas de investigação e extensão do DTG, incluindo o desenvolvimento de pesquisas operacionais para estabelecer modelos de atenção médica, apoio ao ensino de pós-graduação e implantação de um instituto materno-infantil na região de Campinas.

Naquele momento, as atividades do órgão eram desenvolvidas na secretaria da maternidade da Santa Casa de Misericórdia de Campinas, onde funcionava parte do DTG/FCM. Depois, mudou-se para o prédio da Cruzada das Senhoras Católicas, na Rua Doutor Quirino, alugado pela Unicamp.

Esse prédio era compartilhado com o Instituto de Reabilitação de Campinas, com os Ambulatórios de Psiquiatria e o de Planejamento Familiar e Infertilidade, e com o Departamento de Medicina Preventiva. Com a expansão das atividades, o CEMICAMP passou a desenvolver o seu trabalho em uma casa alugada, próxima à Santa Casa, retornando depois para a Cruzada das Senhoras Católicas.

Em 3 de setembro de 1986, o Centro passou a ocupar sede própria, construída em uma área de 10.000m². Trata-se de uma doação de terreno da Sra. Jandira Pamplona, proprietária da Fazenda Santa Genebra, que faz divisa com a Unicamp.

O professor José Aristodemo Pinotti teve um papel protagonista na história desta ONG, tanto na sua criação como no seu desenvolvimento e obtenção do terreno. Na época, o campus terminava na Rua Vital Brasil, em frente ao Hospital das Clínicas (HC). Com o tempo, houve a expansão da Universidade e, hoje, o CEMICAMP integra-se ao complexo hospitalar e à FCM.

O professor Pinotti foi o primeiro presidente do CEMICAMP, ocupando o cargo até 1989, quando se afastou voluntariamente. A presidência da instituição foi então ocupada pelos seguintes professores:

Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti

Prof. Dr. Aníbal Faúndes

Prof. Dr. José Guilherme Cecatti

Prof. Dr. Luis Guillermo Bahamondes

A equipe de trabalho do CEMICAMP começou com quatro profissionais e outros foram sendo incorporados paulatinamente. No momento, o órgão possui uma equipe multidisciplinar que atua em pesquisas e intervenções dirigidas a promover os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres e homens. Além disso, trabalha em parceria com a Unicamp, colaborando ativamente nas atividades assistenciais, de ensino e de pesquisa do DTG.

Dr. Luis Bahamondes
Presidente

Diretoria

Diretoria eleita em 25 de novembro de 2016:

Luis Guillermo Bahamondes

Diretor-Presidente

Verônica Gomes Alencar de Lima e Moura

Diretor Financeiro-Administrativo

Arly de Lara RomeuMaria José Martins Duarte OsisJosé Antônio Maranho

Conselho Fiscal

Missão

Planejar e desenvolver pesquisas na área de saúde e direitos sexuais e reprodutivos, visando melhorar a qualidade de vida das mulheres em países em desenvolvimento.

Planejar, desenvolver e executar ações e programas, isoladamente ou em colaboração com outras instituições, dirigidos à promoção da saúde e dos direitos sexuais e reprodutivos de mulheres e homens.

Visão

Ser referência na área de pesquisa em saúde reprodutiva no Brasil através do desenvolvimento continuado de seus profissionais e parceiros.

Valores

Ética, transparência, respeito e confiabilidade.