Uma referência em saúde no país, o Centro de Pesquisas em Saúde Reprodutiva de Campinas (Cemicamp) é uma organização não-governamental (ONG) sem fins lucrativos, criada em 1977. A ideia partiu de um grupo de professores do Departamento de Tocoginecologia (DTG) da Faculdade de Ciências Médicas (FCM), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que desenvolvia pesquisas sobre saúde da mulher, utilizando recursos de instituições nacionais e internacionais. Dado a burocracia enfrentada naquela época esta instituição foi criada em um primeiro momento para agilizar o recebimento e a administração dos recursos.
Inicialmente, seus objetivos eram os de agilizar e otimizar os projetos e programas de investigação e extensão do DTG, incluindo o desenvolvimento de pesquisas operacionais para estabelecer modelos de atenção médica, apoio ao ensino de pós-graduação e implantação de um instituto materno-infantil na região de Campinas.
Naquele momento, as atividades do órgão eram desenvolvidas na secretaria da maternidade da Santa Casa de Misericórdia de Campinas, onde funcionava parte do DTG/FCM. Depois, mudou-se para o prédio da Cruzada das Senhoras Católicas, na Rua Doutor Quirino, alugado pela Unicamp.
Esse prédio era compartilhado com o Instituto de Reabilitação de Campinas, com os Ambulatórios de Psiquiatria e o de Planejamento Familiar e Infertilidade, e com o Departamento de Medicina Preventiva. Com a expansão das atividades, o Cemicamp passou a desenvolver o seu trabalho em uma casa alugada, próxima à Santa Casa, retornando depois para a Cruzada das Senhoras Católicas.
Em 3 de setembro de 1986, o Centro passou a ocupar sede própria, construída em uma área de 10.000m². Trata-se de uma doação de terreno da Sra. Jandira Pamplona, proprietária da Fazenda Santa Genebra, que faz divisa com a Unicamp.
O professor José Aristodemo Pinotti teve um papel protagonista na história desta ONG, tanto na sua criação como no seu desenvolvimento e obtenção do terreno. Na época, o campus terminava na Rua Vital Brasil, em frente ao Hospital das Clínicas (HC). Com o tempo, houve a expansão da Universidade e, hoje, o Cemicamp integra-se ao complexo hospitalar e à FCM.
O professor Pinotti foi o primeiro presidente do Cemicamp, ocupando o cargo até 1989, quando se afastou voluntariamente. A presidência da instituição foi então ocupada pelos seguintes professores:

A equipe de trabalho do Cemicamp começou com quatro profissionais e outros foram sendo incorporados paulatinamente. No momento, o órgão possui uma equipe multidisciplinar que atua em pesquisas e intervenções dirigidas a promover os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres e homens. Além disso, trabalha em parceria com a Unicamp, colaborando ativamente nas atividades assistenciais, de ensino e de pesquisa do DTG.

Dr. Luis Bahamondes
Presidente

O Cemicamp – Centro de Pesquisas em Saúde Reprodutiva de Campinas é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos. Seus objetivos iniciais eram agilizar e otimizar os projetos e programas de investigação e extensão do Departamento de Tocoginecologia, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Isto incluía o desenvolvimento de pesquisas operacionais para estabelecer modelos de atenção médica; apoio para o ensino de pós-graduação na área de saúde; e implantação de um instituto materno-infantil na região de Campinas. Atualmente, o Cemicamp desenvolve ou assessora pesquisas e realiza intervenções nas áreas de saúde e direitos sexuais e reprodutivos.

A idéia de criar o Cemicamp foi de alguns médicos, professores do Departamento de Tocoginecologia. Esses profissionais desenvolviam pesquisas relacionadas com a saúde da mulher, utilizando recursos provenientes de instituições nacionais e internacionais. A criação do Centro agilizou o recebimento e a administração dos recursos.

No início, as atividades do Centro foram desenvolvidas na sala da secretaria da maternidade da Santa Casa de Misericórdia de Campinas, onde funcionava a Faculdade de Ciências Médicas. Após alguns meses, mudou-se para umas salas no prédio da Cruzada das Senhoras Católicas, na Rua Doutor Quirino, alugado pela Unicamp. O prédio era compartilhado com o Instituto de Reabilitação de Campinas, os Ambulatórios de Psiquiatria e Planejamento Familiar, e o Departamento de Medicina Preventiva. Com a expansão de suas atividades, o Cemicamp passou a desenvolver seu trabalho em uma casa que alugou próxima à Santa Casa. Posteriormente, voltou para a Cruzada.

Finalmente, desde 3 de setembro de 1986, o Centro ocupa um prédio próprio. Construído em um terreno de 10.000 m², ele foi doado pela senhora Jandira Pamplona, proprietária da Fazenda Santa Genebra, local que fazia divisa com a Universidade. O professor José Aristodemo Pinotti teve um papel de protagonista, tanto na criação do Centro como no seu desenvolvimento e na obtenção da doação do terreno. Na época, o campus terminava na Rua Vital Brasil, em frente ao Hospital de Clínicas. A construção do prédio foi realizada por profissionais e operários da Unicamp, utilizando o mesmo padrão arquitetônico de outros prédios da Universidade. O custo dos materiais foi compensado pelo Cemicamp à Unicamp, cedendo 2.000 m² do terreno que ela precisava. Com o tempo, a Universidade adquiriu parte da fazenda. Hoje, o Cemicamp se encontra junto ao complexo hospitalar e à Faculdade de Ciências Médicas.

Desde 1986, o Cemicamp cede parte de seu prédio à Universidade. Esta oferece assistência no Ambulatório de Reprodução Humana do Departamento de Tocoginecologia e na “Casa de Repouso”. Esta última, oferece hospedagem às pacientes que precisam estar perto do hospital ou retornar diariamente para tratamento ou diagnóstico no Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM), devido a seus escassos recursos e/ou a distância de suas residências.

O professor Pinotti ocupou a Presidência do Cemicamp até 1989, quando, voluntariamente, afastou-se do cargo. Inicialmente, a equipe de trabalho do Cemicamp era composta por quatro profissionais. Com o passar do tempo, outras pessoas se integraram às atividades do Centro. Hoje, o Centro conta com uma equipe multidisciplinar que atual em pesquisas e intervenções dirigidas a promover os direitos sexuais e reprodutivos. Além disso, atua em parceria com a Unicamp, colaborando ativamente nas atividades assistenciais, ensino e pesquisa do Departamento de Tocoginecologia.

Dr. Luis Bahamondes
Presidente