Protocolo de investigação sobre o impacto do Covid-19 em gestantes, puérperas e seus bebês

Para melhor entender como a infecção pelo Covid-19 durante a gravidez pode impactar nas mulheres e em seus recém-nascidos, a Organização Mundial de Saúde tem desenvolvido um protocolo de pesquisa padronizado de investigação.

O protocolo aborda questões chave de pesquisa, facilitando a coleta e análise de dados e amostras permitindo a comparação e unificação das informações de diferentes locais, ou seja, diversos países e centros podem desenvolver estudos padronizados e com os mesmos parâmetros, tornando-os facilmente comparáveis e gerando conclusões muito mais seguras.

Esse protocolo investiga os desfechos da gestante ou puérpera que foi exposta ao vírus, e as compara com as que não foram
infectadas.

O objetivo é determinar se a infecção pelo SARS-Cov-2 (Covid-19) durante a gestação aumenta o risco para problemas na mulher ou recém-nascido. Além disso, o estudo poderá quantificar a taxa de transmissão vertical (da mãe para o bebê ainda sem nascer) e pós-natal.

É esperado que os achados deste estudo sejam amplamente divulgados e utilizados para embasar o desenvolvimento de recomendações sobre a vigilância, manejo e aconselhamento de mulheres antes, durante e após a gravidez.

A implementação desse protocolo de estudo irá auxiliar a formar políticas em saúde pública e também futuros protocolos de pesquisa.

Desde Março de 2020, no Brasil, Argentina e Chile a adaptação e atuação deste projeto se dá pela REBRACO (Rede Brasileira de Estudo do Covid-19 em Obstetrícia) e conta com diversos centros de pesquisa em saúde materno-infantil.


Pesquisa "Perspectiva dos Homens sobre a violência contra a parceira"

 

Há muito se estuda como o que vivenciamos durante a infância reflete na vida adulta, inclusive nos temas que envolvem a violência contra a mulher.

A Dra. Maria José Osis é graduada em Ciências Sociais pela UNICAMP, doutora em Saúde Pública pela USP e pesquisadora CEMICAMP. Recentemente colaborou em uma pesquisa "Perspectiva de los hombres sobre la violencia de pareja en Paraguay" do Centro Paraguayo de Estudios de Población. O estudo trouxe, dentre muitos dados, estatísticas expressivas sobre como as punições na infância podem perpetuar a violência contra a parceira e sua naturalização.

No estudo, 67,4% dos entrevistados considera justificável a violência moral contra a parceira e 26% presenciou agressões físicas contra suas mães ou madrastas. Além de que 89% sofreu algum tipo de castigo físico ou moral durante a infância e destes, 45% afirmaram perpetuar atitudes de violência contra suas parceiras.

O estudo foi realizado com mil homens paraguaios de 29-40 anos e a eles foram feitas afirmativas sobre: atitudes, crenças, opiniões, experiências, papéis de gênero, direitos e perpetuação de violência familiar.

As respostas mostraram, em geral, opiniões amplamente equitativas relacionadas ao trabalho, ao cuidado dos filhos e papéis de gênero, mas isto ainda contrasta com os dados oficiais sobre a distribuição e participação de homens no trabalho doméstico não remunerado, além da percepção de atitudes violentas como algo justificável e/ou natural.
Este cenário se dá por fatores culturais, religiosos e socioeconômicos, além das já mencionadas, agressões físicas e morais sofridas na infância .

O artigo completo com todos os resultados e gráficos pode ser acessado aqui: http://www.cepep.org.py/archivos/perspectivahombreviolencia.pdf


Presidente e pesquisador sênior Cemicamp compõe a listagem de pesquisadores mais influentes do mundo.

O Dr. Luís Bahamondes, presidente do CEMICAMP, e o Pesquisador Sênior, Dr. Aníbal Faundes, compõe a lista dos cientistas mais influentes do mundo!

O Journal Plos Biology (JPB) acaba de publicar a lista dos 100 mil #cientistas mais #influentes do mundo.

Além destes #pesquisadores, 600 outros também são brasileiros, 54 pertencem a Unicamp - Universidade Estadual de Campinas e 10 são docentes na Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP.

São eles: Anibal Faundes, Luis Guillermo Bahamondes, Marilda Mazzali, Fernando Cendes, Lício Velloso, Mário José Abdala Saad, Gilberto De Nucci, Vital Paulino Costa, Anibal Vercesi e Sandro Esteves.

Conduzida por um grupo de pesquisadores da Universidade de Stanford (EUA), a pesquisa intitulada “updated science-wide author databases of standardized citacion indicators” analisou a base de dados Scopus, que estabelece dois principais rankings de pesquisadores: um que mede o impacto do pesquisador ao longo da carreira e outro que verifica o impacto da produção científica do pesquisador em um único ano.

Verifique a lista completa dos pesquisadores da Unicamp que integram o ranking dos 100 mil mais influentes do mundo, aqui:
https://bit.ly/pesquisadoresunicamp

FONTE: https://www.fcm.unicamp.br/fcm/relacoes-publicas/saladeimprensa/docentes-da-fcm-integram-lista-de-cientistas-mais-influentes-do-mundo